Captura de ecrã 2018-12-12, às 20.23.32

Acomodada sobre uma adega pré-existente em granito, Pavilion House tira partido da sua (in)definição programática para trabalhar um espaço aberto e abstrato, simultaneamente interior e exterior, beneficiando da sua proximidade a uma natureza diversa.

Configurando-se como um pequeno espaço habitável na montanha, Pavilion House procura maximizar a sua versatilidade e simultaneidade espacial: um conjunto de quatro volumes-parede define o espaço vital e determina os enquadramentos sobre a paisagem circundante, ao mesmo tempo que oculta o ‘programa’ basilar – dormir, estar, comer e banhar – permitindo que este possa ser alternadamente ativado, em função das vontades.

Se a fachada destes volumes, exterior e interior, se assume abstrata e texturada numa estereotomia definida por um contínuo ripado de réguas verticais de madeira, procurando, por um lado, integração na paisagem e, por outro, o conforto introspectivo; o tecto e o chão, que os emolduram e comprimem, na paleta escura que os define como reflexo ausente, ajudam a resgatar o exterior, enfatizando a sua presença mutante no interior do espaço.

(obra construída)
Arquitetura
 Andreia Garcia Architectural Affairs + Diogo Aguiar Studio Equipa Andreia Garcia, Diogo Aguiar, Daniel Mudrák Tipologia Pavilion House Área 75 m2 Fotografia Fernando Guerra


Andreia Garcia (Guimarães, 1985) é arquiteta, curadora, investigadora e professora em áreas da arquitetura, da cidade, do design e da cenografia urbana. Fundadora do Andreia Garcia Architectural Affairs, atelier sediado no Porto, tem-se especializado na disseminação da arquitetura através da investigação, de prática curatorial e de projetos editoriais.

 

De 2011 a 2012, foi comissária do projeto Smaller Cities e coordenadora dos projetos da Paisagem Criativa na Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura. Em 2015 foi curadora do Projecto Memória que celebrou o centenário do Theatro Circo de Braga e que culminou com o lançamento do livro “O Theatro e a Memória”. Em 2016, foi responsável pela coordenação editorial e programação da Representação Portuguesa na XXI Trienal de Milão.

 

Em 2017, assume a curadoria do programa de arquitetura para a Bienal de Arte Contemporânea da Maia e é convidada a pensar duas exposições para a Galeria Vertical, no Silo auto do Porto.

 

Andreia Garcia é mestre em Arquitetura, com a dissertação intitulada Arquitectura e Cinema. Jacques Tati e Le Corbusier – Diálogos sobre o Modernismo, pelo Departamento de Arquitetura da Universidade da Beira Interior (UBI, 2008).
O doutoramento que concluiu em Teoria e História da Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (FAUL, 2015) recebeu o Prémio Professor Manuel Tainha, pela melhor Dissertação no Doutoramento em Arquitetura de 2014/2015. Em 2016 lançou o seu primeiro livro individual intitulado Espaço Cénico, Arquitectura e Cidade, pela Caleidoscópio.
Desde finais de 2016 é cofundadora, com Diogo Aguiar, da Galeria de Arquitectura, um espaço independente dedicado à reflexão sobre a arquitetura, no Porto.
É professora auxiliar convidada, desde 2017, no Curso de Arquitetura da Universidade da Beira Interior e, desde 2018, na Escola de Arquitectura da Universidade do Minho.

 

Team

Andreia Garcia . fundadora . arquitecta principal e curadora
andreia@andreiagarcia.com

Margarida Antunes (2018-) . coordenadora de produção
margarida@andreiagarcia.com

Joanna Helm (2019-) . coordenadora de comunicação
joanna@andreiagarcia.com

Clara Puentes (2018-) . arquitecta
clara@andreiagarcia.com

Cecilia Carrioli (2019-) . arquitecta estagiária

 

Clara Asperilla (2018) . arquitecta estagiária

Inés Brotons (2017) . arquitecta estagiária

 

Contactos
praça coronel pacheco nº2
4050-453 Porto